quinta-feira, 13 de junho de 2019

Mr. Albert Show - Mr. Albert Show (1970)







Mr. Albert Show foi uma banda holandesa que lançou três ótimos discos, dois de estúdio e outro ao vivo, todos muito subestimados. Ela era liderada por Bertus Borgers que apareceu como convidado em vários discos da Golden Earring. Ela misturava jazz-rock com rock psicodélico de um modo original, num nível elevado de composição. O sax em destaque é meio frenético e a guitarra e o órgão tem papel importante.
Este é o primeiro álbum dela, que se separou em 1973. Adiante, Bertus Borgers se uniria ao tecladista Robert Jan Stips da Supersister para formar a banda Sweet d'Buster.




Bertus Borgers - sax, vocal
Tom Fautubun - baixo
Broer Bogaart - bateria, percussão
Eric Lintermans - guitarra
Bonkie Bongaerts - órgão
com:
Floortje Klomp - vocal




1 Act Of Love
2 Kings Of Galaxy
3 King Horse
4 Don't Worry
5 White Bear Skin Coat
6 Wild Sensation
7 There's A Sad Song In The Air
8 White
9 Revolver

terça-feira, 11 de junho de 2019

Mike Harrison - Smokestack Lightning (1972)







Mike Harrison foi o vocalista da Spooky Tooth e este é o seu segundo disco solo. Ao todo ele lançou uma sequência de três que foram gravados quando a Spooky Tooth não estava gravando nem excursionando.
Smokestack Lightning é a afirmação do seu espírito bluseiro em cinco covers. Para tanto ele foi até o Alabama gravar com os músicos do estúdio Muscle Shoals. Esse estúdio foi fundado por músicos lendários que já haviam tocado com a nata do blues e do soul. O disco foi aclamado e o destaque vai para a faixa título, uma respeitosa recriação do clássico de Howlin' Wolf que se tornou uma jam de doze minutos. Pete Carr deita e rola.
Mike Harrison faleceu em março do ano passado.




Mike Harrison - vocal, harmônica
Luther Grosvenor - violão
Wayne Perkins - guitarra slide
Barry Beckett - teclados
Clayton Ivey - teclados

Muscle Shoals Rhythm Section:
Pete Carr - guitarra
Jimmy Johnson - guitarra
David Hood - baixo
Roger Hawkins - bateria

Muscle Shoals Horns:
Harry Thompson - sax tenor
Charles Rose - trombone
Harrison Calloway - trompete 
Mike Stacey - trompete
Ronnie Eades - sax barítono




1 Tears   
2 Paid My Dues    
3 What A Price [Fats Domino]   
4 Wanna Be Free  
5 Turning Over 
6 Smokestack Lightning [Howlin' Wolf] 

domingo, 9 de junho de 2019

Bill Frisell - History, Mystery (2008)







A música de Bill Frisell é única, e tanto ela quanto sua interpretação estão num nível técnico superior. Aqui são pequenas explorações que misturam jazz, blues, country e música africana. O clima traz compaixão, tristeza e doçura — e, quando começam a adoçar os ouvidos, acabam. Contudo, Frisell é capaz de contar suas histórias mesmo em curtos espaços de tempo.
Esse disco foi lançado no Brasil e ainda pode ser encontrado por um preço justo, considerando a qualidade da edição e por ser duplo.




Bill Frisell - guitarra, violão, loops
Ron Miles - corneta
Greg Tardy - sax tenor, clarineta
Jenny Scheinman - violino
Eyvind Kang - viola
Hank Roberts - cello
Tony Scherr - baixo
Kenny Wollesen - bateria




Part One:
1   Imagination 
2   Probability Cloud 
3   Probability Cloud Pt. 2 
4   Out of Body Struggle
5   Struggle
6   A Momentary Suspension of Doubt
7   Onward
8   Baba Drame 
9   What We Need 
10 A Change Is Gonna Come
11 Jacky-ing 
12 Show Me 
13 Boo and Scout 
14 Struggle Pt. 2 
15 Heal 
16 Another Momentary Suspension of Doubt 
17 Probability Cloud Reprise




Part Two
1   Monroe
2   Lazy Robinson 
3   Question #1 
4   Answer #1 
5   Faces 
6   Sub-Conscious Lee
7   Monroe Part 2 
8   Question #2 
9   Lazy Robinson Part 2
10 What We Need Part 2
11 Waltz for Baltimore 
12 Answer #2
13 Monroe Part 3

terça-feira, 4 de junho de 2019

Spooky Tooth - It's All About (1968)







Esse é o álbum de estréia da banda Spooky Tooth. Ela surgiu em Londres, em 1967, a partir de uma outra banda chamada "Art". Na verdade, ela é a Art com a adição do norte-americano Gary Right. Seus dois primeiros discos são excelentes e foram aclamados pela crítica. Ela participava frequentemente do programa Top Gear (nada a ver com carros) comandado por John Peel e foi muito ativa no boom do prog ao sofisticar seu rock psicodélico. Mesmo assim, eles nunca conquistaram um grande público. Em 1969 Greg Ridley deixou a banda para juntar-se à Humble Pie e daí em diante houveram pausas e mais mudanças no line-up, com uma maior aproximação ao prog no decorrer do tempo.




Luther Grosvenor - guitarra
Mike Harrison - harpsichord, vocal
Gary Wright - órgão, vocal
Greg Ridley - baixo
Mike Kellie - bateria




1   Society's Child
2   Love Really Changed Me
3   Here I Lived So Well
4   Too Much Of Nothing
5   Sunshine Help Me
6   It's All About A Roundabout
7   Tobacco Road
8   It Hurts You So
9   Forget It I Got It
10 Bubbles
11 The Weight (Stereo Version)
12 Sunshine Help Me
13 Weird
14 Love Really Changed Me (Mono Version)
15 Luger's Groove
16 The Weight
17 Do Right People
18 Bubbles (Mono Version)

domingo, 2 de junho de 2019

Buddy Guy - Slippin' In (1994)







Metade deste disco foi gravada com a banda de Buddy Guy em Chicago e a outra metade no Texas com a Double Trouble (Wynans, Shannon, Layton), banda de Stevie Ray Vaughan, um saudoso amigo de Guy. 
Além das bandas afiadas, Guy recebeu o genial pianista Johnnie Johnson. Essa combinação de talentos foi o combustível para o álbum mais feroz dele desde Stone Crazy, de 13 anos antes.
Deixem de lado aqueles discos super-produzidos e cheios de convidados superstars; esse é um dos melhores trabalhos de Buddy Guy e é um tratado sobre guitarra.




Buddy Guy - guitarra, vocal
Johnnie Johnson - piano
David Grissom - guitarra (1, 2, 4, 11), violão (8)
Scott Holt - guitarra (3, 5, 6, 7, 10)
Reese Wynans - órgão, piano (1, 2, 4, 7, 8, 9, 11)
Greg Rzab - baixo (3, 5, 6, 7, 10), 
Tommy Shannon - baixo, backing vocal (1, 2, 4, 8, 9, 11)
Chris Layton - bateria (1, 2, 4, 8, 9, 11), 
Ray Allison - bateria (3, 5, 6, 7, 10)


    

1   I Smell Trouble [Don Robey]
2   Please Don't Drive Me Away [Charles Brown]
3   7-11 [Fenton Robinson]
4   Shame, Shame, Shame [Jimmy Reed]
5   Love Her With A Feeling [Lowell Fulson]
6   Little Dab-A-Doo 
7   Someone Else Is Steppin' In (Slippin' Out, Slippin' In) [Denise LaSalle]
8   Trouble Blues [Charles Brown]
9   Man Of Many Words
10 Don't Tell Me About The Blues
11 Cities Need Help

quinta-feira, 30 de maio de 2019

Jimmy Rogers - Blue Bird (1994)







Jimmy Rogers foi um ícone do blues de Chicago e um dos últimos remanescentes da histórica banda do mestre Muddy Waters chamada Caçadores de Cabeça, pois a cada turnê trocavam os músicos por caras ainda melhores. Ele mesmo seguiu essa ideia com a banda All Stars, pela qual passaram inúmeros convidados ilustres, inclusive o Eric Clapton.
Rogers foi autor de alguns do maiores clássicos dos anos 50 e era reconhecido pela alta qualidade dos arranjos e da execução. Porém, no início dos anos 60 o blues estava perdendo espaço para o rock e muitos dos grandes músicos foram para a Europa. Rogers, por sua vez, decidiu deixar tudo de lado e ir cuidar de uma loja de roupas, que acabou sendo incendiada durante os protestos pelo assassinato de Martin Luther King. E ele acabou voltando para a música com a ajuda de um outro King, o Freddie.

Em Blue Bird ele recebe o pianista Johnnie Johnson e os dois tocam de maneira descontraída, mas com toda autoridade da realeza. Quem bota pra quebrar é filho de Rogers, Jimmy D. Lane. Lane é um grande guitarrista e tem ao menos três discos excelentes. 




Jimmy Rogers - vocal, guitarra
Jimmy D. Lane - guitarra
Johnnie Johnson - piano
Carey Bell - harmônica
Dave Myers - baixo
Ted Harvey - bateria




1    I'm Tired Of Crying Over You
2    Blue Bird   
3    Walkin' By Myself       
4    Rock Me
5    I Lost A Good Woman
6    Howlin' For My Darling
7    Why Are You So Mean To Me
8    Blues Falling     
9    Lemon Squeezer     
10  That Ain't It (Baby I Need Your Love)  
11  Smokestack Lighting
12  Blue And Lonesome
13  Big Boss Man
14  Jam Session (a. Jammin' With Johnnie; b. Saint Louis Blues) 

terça-feira, 28 de maio de 2019

Johnnie Johnson - Johnnie B. Bad (1991)







Johnnie Johnson é um dos pais do rock. Ele foi o pianista de Chuck Berry por décadas e supostamente foi co-autor não creditado de muitos dos clássicos de Berry. O curioso é que ele foi patrão do Berry em primeiro lugar.
Johnson nasceu em 1924 na Virginia Ocidental e começou a tocar piano aos quatro anos de idade. A partir da adolescência ele participou de vários grupos e orquestras até formar seu próprio trio, o Johnnie's Boogie. Já nos anos 50 ele precisou substituir seu saxofonista e optou por um guitarrista chamado Chuck. Chuck era um showman nato, virou a grande atração e logo tomou conta da banda. Mas a interação musical entre ele e Johnson era muito grande, com o boogie-blues de Johnson sendo a base perfeita para guitarra de Berry.
Johnson também gravou com Albert King mas sempre viveu à sombra de Berry. Foram Keith Richards e Eric Clapton que ajudaram Johnson a emergir.
Johnnie B. Bad é apenas seu segundo disco solo e foi indicado ao Grammy como "Melhor Blues Tradicional".




Johnnie Johnson - piano, vocal
Eric Clapton - guitarra
Keith Richards - guitarra, vocal
Bernie Worrell - teclados, backing vocal
Joey Spampinato - baixo, backing vocal
Steve Jordan - bateria, backing vocal
Bernard Fowler - backing vocal
Michael Ray - trompete
Steve Ferguson - guitarra e vocal
Tom Ardolino - bateria
Terry Adams - harmônica
Al Anderson - guitarra ritmica




1  Tanqueray 
2  Hush on Hush 
3  Johnnie B. Bad 
4  Creek Mud 
5  Fault Line Tremor 
6  Stepped In What 
7  Can You Stand It 
8  Key To The Highway 
9  Blues, nº 572 
10 Baby What's Wrong 
11 Cow Cow Blues 
12 Movin' Out 

quinta-feira, 23 de maio de 2019

Andy Summers & Robert Fripp - Bewitched (1984)







Nem mesmo esses dois escaparam do feitiço dos anos 80. Feitiço não, praga — aquela batida eletrônica repetitiva que aniquilava qualquer mente progressiva e jogava tudo na vala do pop.
Bewitched é a segunda colaboração entre Fripp e Summers, não tão emblemática quanto a primeira, mas ainda assim muito melhor do que a maioria dos discos naquele período. Não desista antes da faixa 4; a partir daí a coisa muda e aparecem semelhanças tanto com a King Crimson da trilogia Discipline/Beat/Three of a Perfect Pair, quanto com a The Police.




Andy Summers - guitarra, violão, Tr909 drum machine, Roland guitar synth Gr700 & 300, Roland Jupiter/JX-3P, sequenciador Msq 700, loops
Robert Fripp - guitarra, violão, Tr909 drum machine, Roland guitar synth Gr700 & 300, Roland Jupiter/JX-3P, sequenciador Msq 700, loops
Paul Beavis - bateria
Chris Childs - baixo
Sara Lee - baixo  
Jesse Lota - percussão
Chris Winter - sax




1    Parade  
2    What Kind of Man Reads Playboy?  
3    Begin the Day 
4    Train  
5    Bewitched  
6    Tribe  
7    Maquillage  
8    Guide  
9    Forgotten Steps   
10  Image and Likeness 

terça-feira, 21 de maio de 2019

Camel - Rajaz (1999)







Rajaz é o penúltimo álbum de estúdio da Camel, se a gente não considerar a regravação de Snow Goose. Ele é o ponto alto numa linha de três álbuns lançados após sete anos de hiato da banda (84-91). E também é um ponto alto da carreira da banda. De membro original, só Latimer; e agora com gravadora própria.
A Camel é uma banda que só fez evoluir ao longo tempo. Ela mudou muito, mas não abandonou suas idéias. Também não se pode dizer que ela se adaptou aos novos tempos, ela continua a refletir o momento. Andy Latimer também parece um guitarrista ainda melhor; seu trabalho aqui é maravilhoso. A gente percebe que o cara sente cada nota e sua técnica é impecável. O tecladista Ton Scherpenzeel, fundador da banda Kayak, também está perfeito. Ele já havia estado na Camel nos anos 80, mas como tem medo de avião, complicava as turnês.
Rajaz é um tipo de música cantada por poetas no ritmo dos passos dos camelos em caravanas. Aqui a música é melancólica, calma, suave, tentando seguir essa ideia. Assim como a Camel no tempo, Rajaz é daquele discos que ficam melhores a cada audição. Ele foi gravado num momento delicado, quando Latimer lutava contra uma doença no sangue que o afligia desde 1992. Foi preciso fazer um transplante de medula mas está tudo bem com ele agora. 




Andy Latimer - guitarra, vocal, flauta, teclados, percussão
Ton Scherpenzeel - teclados
Colin Bass - baixo
Dave Stewart - bateria, percussão
com:
Barry Phillips - cello 




1 Three Wishes
2 Lost And Found
3 The Final Encore
4 Rajaz
5 Shout
6 Straight To My Heart
7 Sahara
8 Lawrence